Natal 2021

Natal é celebrar o inédito de Deus, ou melhor, um “Deus inédito”, que desafia a acolher as surpresas do céu.

Papa Francisco
@Marko Djurica/Reuters

“[…] trata-se de cuidar uns dos outros como criaturas de um Deus que nos ama, e de tudo o que isso implica. […] Eu diria que é uma paciência condimentada com um são sentido de humor, que permite que aguentemos e criemos espaço para a mudança.”

Papa Francisco, Sonhemos juntos

Naqueles dias, saiu um decreto de César Augusto, para ser recenseada toda a terra. Este primeiro recenseamento efetuou-se quando Quirino era governador da Síria. Todos se foram recensear, cada um à sua cidade. José subiu também da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à cidade de David, chamada Belém, por ser da casa e da descendência de David, a fim de se recensear com Maria, sua esposa, que estava para ser mãe. Enquanto ali se encontravam, chegou o dia de ela dar à luz, e teve o seu Filho primogénito. Envolveu-O em panos e deitou-O numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.

Havia naquela região uns pastores que viviam nos campos e guardavam de noite os rebanhos. O Anjo do Senhor aproximou-se deles e a glória do Senhor cercou-os de luz, e eles tiveram grande medo.
Disse-lhes o Anjo: «Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: encontrareis um Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoura.» Imediatamente juntou-se ao Anjo uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus, dizendo: «Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados

(Lucas 2,1-14)

Cantai ao Senhor um cântico novo

cantai ao Senhor, terra inteira,

cantai ao Senhor, bendizei o seu nome.

Anunciai dia a dia a sua salvação,

publicai entre as nações a sua glória,

em todos os povos as suas maravilhas.

Alegrem-se os céus, exulte a terra,

ressoe o mar e tudo o que ele contém,

exultem os campos e quanto neles existe,

alegrem-se as árvores das florestas.

Diante do Senhor que vem,

que vem para julgar a terra:

Julgará o mundo com justiça

e os povos com fidelidade.

(Salmo 95/96)

Vinde os possuidores da pobreza

os que não têm nome no século.

Vinde os homens da contemplação.

Vinde os que têm a língua mudada.

Vinde os forasteiros e vagabundos.

Vinde os homens descalços e os que têm

os olhos cheios de espantos.

Jesus Cristo – Rei dos Reis

os vossos pés quer lavar,

o filho do marceneiro

não vos pode abandonar.

Jorge de Lima (poeta brasileiro)

 […] que venha o Teu tempo, Deus,

O Teu dia,

Não amanhã,

Mas o hoje

E para um tempo

Que não acabará nunca.

 

José Augusto Mourão