O Graal em Portugal

O movimento chegou a Lisboa, em 1957, com Maria de Lourdes Pintasilgo e Teresa Santa Clara Gomes, estabelecendo-se depois em Coimbra e Portalegre.

Nos seus mais de 60 anos de experiência na dinamização e organização de iniciativas, o Graal tem procurado proporcionar à sociedade portuguesa, e em particular às mulheres, condições de valorização e educação permanente que conduzam ao desenvolvimento de competências pessoais e sociais, de análise crítica e de mobilização para uma intervenção transformadora, bem como contextos de aprofundamento da fé e de partilha espiritual e comunitária.

Nos últimos anos, o Graal tem promovido programas e projectos que visam a igualdade de oportunidades entre as mulheres e os homens, o reforço do papel das mulheres na liderança e tomada de decisão, a luta contra todas as discriminações, a educação para uma sociedade multicultural e para a cidadania planetária, a reflexão sobre o desenvolvimento e a cooperação com países africanos de língua oficial portuguesa.

O Graal constituiu-se como Associação de Carácter Social e Cultural em 1977, sendo-lhe reconhecido o estatuto de Pessoa Colectiva de Utilidade Pública em 1985.

É igualmente reconhecido como Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), integra a Plataforma das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento e a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR). É membro fundador da Plataforma para os Direitos das Mulheres (PpDM), tem assento no Conselho Consultivo da Comissão para a Igualdade de Género (CIG) e no Conselho Económico e Social (CES). Integra a Rede Cuidar da Casa Comum e a Conferência Nacional de Apostolado de Leigos (CNAL).

Relatórios de Atividades

Relatório e Contas